July 17, 2024
Cine-turismo ou set-jetting quando a viagem leva às locações de nossas séries ou filmes preferidos

Entre as tendências de viagens que surgiram nos últimos anos, o turismo cinematográfico, também chamado de “set-jetting” pelos falantes de inglês, está ganhando força. Cada vez mais viajantes se interessam pelos destinos onde foram rodados os filmes ou séries que apreciam – seja Paris, como em “Emily in Paris”, ou Nápoles, cidade onde foi filmada a adaptação do romance “L’Amie Prodigieuse” de Elena Ferrante. Este artigo explica esse fenômeno para você.

Desde 22 de fevereiro de 2023, data de lançamento do filme “Os Fabelmans”, dirigido por Steven Spielberg, que se inspirou na juventude para escrever parte do roteiro, a agência de viagens online Opodo registrou um aumento de 28% nas reservas de voos. para Tucson, Arizona, EUA, onde parte da ação está acontecendo.

Cinema-turismo ou set-jetting, uma tendência crescente em viagens

Este número recente mostra bem a dimensão de uma tendência que os profissionais do turismo vêm observando há vários anos: o turismo cinematográfico, também chamado de “set-jetting”. Em um estudo realizado em conjunto por Hotels.com, Abritel e Expedia.fr no final de 2022, pudemos ler que “documentários, filmes e séries streaming são agora a segunda maior fonte de inspiração para fazer uma viagem (20%), ultrapassando agora as redes sociais (13%) (…) A telinha tornou-se grande e posiciona-se logo atrás das recomendações de amigos ou familiares (42%).”

Ainda de acordo com este estudo, “nos últimos 12 meses, a influência de serviços de streaming como Netflix ou Amazon aumentou para 78% ”. Assim, 61% dos entrevistados já pensaram em visitar um destino depois de o terem visto numa série de televisão ou num filme em streaming, e 40% deles chegaram mesmo a reservar uma estadia!

No entanto, como aponta Didier Arino, gerente geral associado da consultoria Protourisme, essa tendência não é nova: “Muitos destinos se popularizaram graças ao cinema, ou jogam com a imaginação cinematográfica”, avança- Será que sim.

“Se Saint-Tropez foi feito, é graças a Brigitte Bardot” – Didier Arino, Protourisme

O consultor não deixa de lembrar que em certos parques nacionais dos Estados Unidos não se hesita apresentar pontos de vista observável que apareceram em filmes de faroeste com John Wayne.

Locais de filmagem populares entre os turistas de todo o mundo

Mas quais são os destinos particularmente preferidos pelos turistas de cinema? Enquanto o 95º Oscar será realizado em Los Angeles em 12 de março de 2023, vários filmes estão em destaque… assim como seus locais de filmagem! De acordo com a Opodo, um filme como ‘The Banshees of Inisherin’, feito nas ilhas irlandesas de Achill Island e Inis Mor, resultou em 68% mais reservas de voos para Dublin do que o normal desde seu lançamento em dezembro de 2022.

Os franceses sonham em voar para os Estados Unidos, para lugares como Nova York, Los Angeles ou Havaí, a fim de seguir os passos do mais famoso vigarista alemão (na série “Inventing Anna”) ou mesmo as desventuras de veranistas ricos em um hotel paradisíaco, contado na série satírica “The White Lotus”. A Islândia e a Nova Zelândia também são muito bem-sucedidas.

Do outro lado do Atlântico, é a série “Emily in Paris”, cuja terceira temporada foi ao ar neste inverno na Netflix, que está sendo desejada. Um estudo do IFOP para Bonjour New York, publicado em 13 de fevereiro, revela que a série de sucesso aumentou a popularidade da França nos Estados Unidos e, especialmente, em Paris.

De acordo com os últimos dados coletados pelo buscador de viagens Kayak.fr, a busca por voos para Paris iniciada por americanos aumentou 134% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023, em comparação com outubro e novembro de 2022. De Nova York, o número ainda sobe para +184%!

Os benefícios econômicos do turismo cinematográfico

“Às vezes, sorri Didier Arino, um lugar nem precisa ter sido palco de uma série ou filmagem para ser vítima de seu sucesso.” Ele toma como exemplo a livraria Lello, localizada no centro do Porto, em Portugal. Considerada uma das mais belas livrarias da Europa, suas escadas teriam simplesmente inspirado as da escola de bruxos da saga “Harry Potter”. “Ainda há filas impressionantes de pessoas que querem visita-la”, comenta o especialista em turismo.

Além do efeito fashion, ver uma série ou um filme rodado dentro dela pode render muito dinheiro para uma cidade ou província. Em 2016, o Northern Ireland Tourist Board, onde foram filmadas muitas cenas da série “Game of Thrones”, estimou que um em cada seis turistas visitou os locais de filmagem, que geraram no ano passado cerca de 35 milhões de euros em receitas, conforme informou o site Capital.

“As comunidades entenderam bem isso e investem muito em ajudar as filmagens, tanto pelos benefícios econômicos diretos, durante as filmagens, quanto pelos que virão”, reage Didier Arino, que cita, por exemplo, a criação de células dedicadas por Bordeaux e região da Nova Aquitânia, para facilitar a chegada das equipes de filmagem.

Não há risco de saturação nesses destinos?

No entanto, ainda há a questão da superfreqüência desses sites. Didier Arino evoca de fato o problema enfrentado por Dubrovnik, esta charmosa cidade da Croácia que já vinha sendo impactada pelo turismo de cruzeiros há vários anos, que é um destino atraente economicamente falando, com muitos voos de baixo custo…

E quem diria o fenômeno acelerador que foi a saga “Game of Thrones”, várias cenas das quais foram filmadas na cidade velha. Em 2019, as autoridades tinham mesmo sido obrigadas a reduzir a afluência de turistas, correndo o risco de perder o seu lugar na Lista do Patrimonio Mundial da UNESCO.

De modo geral, Didier Arino observa que há cada vez mais turismo temático – esportivo, cinematográfico, cultural, festivo…

“As pessoas querem viver uma experiência, que pode ser muito diversificada. Um destino funciona bem e ao longo do tempo quando oferece um variedade de experiências”, explica. Antes de considerar que seria “perigoso, nocivo e redutor” um destino apostar tudo em torno de uma série ou de um filme, o que poderia conduzir a uma espécie de “Disneylandização” dos locais.