February 22, 2024
Braga Cidade Milenar e Patrimonio

Conhecida como “Roma de Portugal” pelas suas múltiplas igrejas, desde a grandiosa Catedral da Sé até à modesta capela da Cheia de Graça, esta cidade milenar não só apresenta um rico patrimônio religioso, mas também uma vibrante cena cultural, que abrange desde festivais de música eletrónica até galerias de arte.

Os sons da cidade dão o tom. Bate o sino de uma igreja, e mais um, depois respondem uns aos sobre as telhas e abafam o ruído dos automóveis que é afastado pelo garnde centro pedestre.

Quase cinquenta igrejas na cidade histórica, duzentas no total: Braga, a terceira maior cidade de Portugal (190.000 habitantes), mantém o seu lugar como a capital religiosa do norte do país.

No entanto, algo rapidamente chama a atenção ao passear pelas ruas de paralelepipedos, entre os edifícios baixos, os palácios barrocos e as fachadas revestidas de azulejos: A atmosfera na cidade não tem nada daquela solenidade que muitas vezes permeia os locais sagrados do catolicismo.

Isto talvez seja uma sorte: a cidade que foi um dos mais importantes centros do cristianismo na Península Ibérica na Idade Média não conheceu nenhum milagre notável além de uma árvore que deu frutos em dezembro para realizar os últimos desejos de São Geraldo, então arcebispo de Braga, que veio de Quercy.

E, embora cerca de oito séculos mais antiga que Santiago de Compostela, foi superada pelo seu vizinho do norte após a sua destruição pelos muçulmanos, quando a muito oportuna descoberta dos ossos de São Tiago (por volta de 813) serviu de pretexto para peregrinações que ampliaram a influência e as finanças dos reis das Astúrias.

Como resultado, Braga tem uma sacralidade mais descontraída do que outras, mesmo nos dias em que os penitentes de capuzes pretos desfilam na Semana Santa, mesmo quando os devotos vão celebrar Maria no santuário de Nossa Senhora do Sameiro, uma basílica neoclássica do século XIX, a mais bela delas é a vista que oferece da sua cúpula sobre a cidade e as colinas.

No entanto, não faltam adornos nas igrejas. A catedral da Sé, a mais antiga de Portugal (1071), tem uma fachada decorada com cenas do românico medieval de Renart, misturando estilos românico, gótico tardio conhecido como “manuelino” (em homenagem ao rei de Portugal Manuel I) ou neoclássico, expõe a sobrecarga do Barroco na madeira talhada e dourada dos altares (incluindo o da capela de São Geraldo, mais abastecida de bananas, uvas ou laranjas do que uma banca de mercado) ou no coro, cujos espetaculares grandes órgãos lançam as suas flautas horizontalmente.

Considerada a mais exuberante igreja de barroca com talha em Portugal, a igreja de São Francisco em construção gótica e toda ornamentação é barroca foi desenvolvida no século XVIII. Dedicado a São Frutuoso, bispo de Braga, receberia o seu túmulo por volta de 665 mas, quando se popularizou e foi objeto de culto no século XII, o arcebispo de Santiago de Compostela mandou transferir os seus restos mortais.

Braga, terra natal do arquitecto André Soares (1720-1769), um dos mestres do barroco tardio e até do rococó português, deve-lhe igrejas (incluindo Santa Maria Madalena), a basílica (dos Congregados), o hotel da cidade ou o belíssimo Palácio Raio, com a sua fachada revestida de azulejos azuis e as suas louças evocando as cortes reais nas paredes da grande escadaria. Embelezou a capela do comovente mosteiro de Tibães no seu parque de 40 hectares, a seis quilômetros da cidade, mas também três capelas do incrível santuário do Bom Jesus – para o qual desenhou os planos, mas que foi construído entre 1784 e 1811 – a principal atração de Braga. Ergue-se do topo dos seus 17 lances de escada (573 no total) decorados com fontes que simbolizam os cinco sentidos ou as virtudes teologais (esperança, fé e caridade), pontuada por capelas onde personagens maiores que a vida vivem incessantemente a Via Sacra desde a Última Ceia até a Ressurreição. Mas há algo simples, um pouco infantil em todo esse barroco.

Um futuro museu de arte contemporânea

Encontramos ainda em Braga duas jóias de pureza e espiritualidade, duas capelas muito contemporâneas e de grande beleza. Projetados por arquitetos locais do escritório Cerejeira Fontes, em colaboração com o escultor norueguês Asbjorn Andresen, estão cada um escondido num seminário.

A primeira, Arvore da Vida, data de 2010, um ambiente de madeira clara numa sala com paredes cinzentas, vigas que ondulam como se esculpidas pela luz natural vinda de cima e alguma fina iluminação eléctrica.

Um altar constituído por uma tábua assente em uma pedra de granito que os pedreiros tinham negligenciado, alguns toques coloridos de uma pintura de Ilda David, tudo é minimalista mas eminentemente simbólico, um pouco como se a Bíblia fosse feita de Haïku ( forma de poesia japonesa surgida no sXVI e ainda hoje em voga, composta de três versos, com cinco, sete e cinco sílabas, que geralmente tem como tema a natureza ou as estações do ano).

A segunda, Cheia de Graça, inaugurada em 2017, ergue as suas colunas de madeira clara como uma floresta a vinte metros de altura na sua elegante matriz de betão, entre as pedras da Capela Imaculada do Seminário Menor.

Tudo é simples, os bancos de oração têm algo de frágil, o púlpito, o altar e a cruz são feitos de linhas de aço e pedra, a Virgem Maria é esculpida como uma mulher simples sentada entre os fiéis . Atravessado no final do seminário, Jorge Ortiga, o ex-arcebispo que patrocinou as duas conquistas, ainda sorri diante da audácia que fez estremecer as pessoas: “AA Virgem é a primeira com Deus, mas também é aquela que nos ensina a humildade e a necessidade do retorno à simplicidade ”, diz ele.

Capela superior “Cheia de Graça” da igreja do Seminario Menor, em primeiro plano, uma escultura de Maria em madeira do escultor norueguês Asbjorn Ardersen.

O local também possui excelente acústica, recebe shows e concertos notadamente durante o Semibreve, festival de música eletrônica e arte digital que, durante quatro dias, no final de outubro, ocupa locais emblemáticos como o Teatro Circo, uma bonbonnière do início do século passado decorado com ouro e madeiras preciosas da colonia brasileira, mas também o antigo quartel da Guarda Nacional Republicana, agradavelmente restaurado e adaptado aos espaços do GNRation, um templo muito simpático da música électronica e das artes digitais: “45% dos os residentes aqui têm menos de 35 anos.

Braga é também uma das cidades mais jovens do país, é universitária com 20 mil alunos, cosmopolita com o laboratório internacional de nanotecnologia”, alegra-se Luis Fernandes, que dirige a programação artística do local e do teatro.

Uma cidade não provinciana”, acrescenta para definir a cidade e o seu cenário cultural. A observação combina muito bem com as noites no Setra, o bar e clube de coquetéis que ocupa uma antiga casa no centro histórico.

Com exceção, nos fundos do pátio, da oficina do pintor Manecas Camelo, um jovem sexagenário cujos retratos rupestres adornam as paredes e que, entre alguns toques de tinta ou nanquim para a sua série sobre migrações, vem saborear ouvindo Ludgero Rosas, o pianista que canta blues e soul todas as quintas-feiras.

Também cai bem no sábado, quando os amantes da arte contemporânea afluem à galeria Zet para a inauguração de uma exposição de obras de Sandra Baia, tão conceituais quanto sensíveis.

O proprietário da galeria, o elegante José Teixeira, de 64 anos, engenheiro à frente de um poderoso grupo de construção e comunicações, não esconde sua infância humilde e sua obsessão pela cultura adquirida de forma autodidata.

Em 2026, ele presenteará Braga com um museu de arte contemporânea baseado em sua coleção pessoal.

Será um toque adicional de modernidade para uma cidade cuja história remonta ao Paleolítico e à Antiguidade Romana, quando era chamada de Bracara Augusta, com os vestígios das termas e o museu arqueológico em seu novo espaço, onde a coleção restrita é muito bem exibida. Modesta, mas encantadora, assim como a cidade de Braga.