May 23, 2024
Número de viajantes deve bater recorde em 2024, França continua sendo o principal destino mundial

Embora a perda de receitas resultante das restrições na China tenha custado 130 mil milhões de dólares em todo o mundo, o turismo voltará a aumentar em 2023, segundo a Organização Mundial do Turismo, que prevê um possível recorde este ano.

A França deverá consolidar a sua posição como principal destino mundial.

É o regresso do turismo em grande escala, após três anos de convalescença pós-Covid. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), cerca de 1,3 mil milhões de chegadas de turistas internacionais foram registadas em todo o mundo em 2023, em comparação com cerca de 900 milhões em 2022 e 450 milhões em 2021.

Este número equivale a 88% do nível de 2019, o no ano passado, antes da pandemia de Covid-19, especifica a OMT num comunicado de imprensa publicado na sexta-feira. Naquele ano, 1,46 mil milhões de turistas internacionais viajaram pelo mundo, um recorde.

Um recorde que poderá ser batido em 2024, prevê a agência da ONU com sede em Madrid.

A recuperação foi impulsionada em 2023 por um forte impulso no Médio Oriente, onde as chegadas de turistas ultrapassaram o valor de 2019 em 22%, mas também nos continentes americano e europeu, o principal destino turístico do mundo, onde a atividade atingiu 94% do seu nível pré-pandemia .

Evolução do turismo chinês

No entanto, a recuperação foi mais fraca do que o esperado na Ásia (65% do nível de 2019), apesar do levantamento das restrições sanitárias decidido há um ano na China. O fim, após três anos, da política chinesa “Covid zero” não permitiu o regresso ao nível de 2019 do turismo chinês.

A China era o principal fornecedor mundial de turistas antes da pandemia, com 154 milhões de chineses visitando outros países, segundo a OMT. Os chineses também foram quem mais gastaram, com 255 mil milhões de dólares (234 mil milhões de euros) gastos em 2019, ou 17% dos gastos globais com turismo.

Segundo a Bloomberg, a China tem 60% menos ligações aéreas com o mundo exterior em comparação com o período pré-Covid.

Por exemplo, já não existem voos directos para a Índia, Praga ou Nice, quando o comércio com Taiwan caiu 70%. Uma reorientação do turismo chinês para o interior do país que representaria um défice de 130 mil milhões de dólares para a economia global, segundo o site de informação econômica.

Apesar desta desvantagem, “os dados mais recentes da OMT destacam a resiliência e a rápida recuperação do turismo”, com consequências já visíveis no “crescimento” e nos “empregos”, sublinha o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, citado no comunicado de imprensa.

Segundo uma estimativa preliminar fornecida pela agência de Madrid, as receitas geradas pelo turismo internacional atingiram 1,4 biliões de dólares no ano passado.

A contribuição econômica do turismo, incluindo o tráfego aéreo, ascendeu a 3% do PIB global.

Contudo, a agência não comunica sobre as emissões de gases com efeito de estufa geradas por este tráfego, demonstrando, mais uma vez, a incapacidade dos diferentes sectores econômicos em abordar verdadeiramente a questão climática.

Pior ainda, a agência considera que o setor está “no caminho certo” já que, segundo uma primeira estimativa, as chegadas de turistas deverão ultrapassar o nível de 2019 em 2% este ano, um novo recorde.

Segundo a agência da ONU, a atividade deverá também beneficiar, em particular, do aumento do turismo na China graças à flexibilização do regime de vistos para muitos países, incluindo França, Alemanha e Itália, e aos movimentos de chineses noutras zonas do país. o mundo.

A popularidade da França perdura

A retomada do turismo neste país deverá beneficiar a França, principal destino turístico do mundo, segundo o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC).

O país, que sediará os Jogos Olímpicos neste verão, mas também o 80º aniversário do desembarque de 6 de junho de 1944 na Normandia, deverá receber mais de 100 milhões de turistas em 2024, segundo o governo.

Em 2023, a França foi particularmente popular entre os espanhóis (+64% face a 2019), os canadianos (+54%), os irlandeses (+19%) e os sul-coreanos (+16%), segundo dados do WTTC.

Com 6,3 milhões de visitantes em 2023, a Torre Eiffel também esteve mais movimentada do que em 2019, antes da pandemia de Covid, segundo a sua operadora (Sete).

O WTTC prevê mesmo um crescimento de 3% para o sector ao ano durante dez anos, com 555.000 empregos adicionais em jogo no final da década.

A Espanha também vai bem, segundo país mais visitado do mundo, com 84 milhões de turistas no ano passado, um novo recorde, segundo o executivo.

“Estamos bem posicionados para continuar neste caminho em 2024”, sublinhou na sexta-feira o ministro do Turismo, Jordi Hereu.

De acordo com a OMT, a consolidação do turismo global continua, no entanto, dependente da evolução dos “riscos geopolíticos”, particularmente no Médio Oriente, onde o turismo deverá sofrer as consequências do conflito entre Israel e o Hamas, e na Ucrânia, onde a guerra com a Rússia está em curso. atolado.

Poderá também ser penalizado por problemas econômicos, como “inflação persistente, taxas de juro elevadas” e “preços voláteis do petróleo”, que poderão “continuar a influenciar os custos de transporte e alojamento em 2024”.

Um conjunto de factores que poderão levar os turistas internacionais a “viajar mais perto de casa”, por razões de economia, conclui a OMT. O desejo de viajar menos para preservar o planeta, porém, não é mencionado.