June 16, 2024
Por que o Nepal probie viagem solo 

O governo do Nepal proibiu viagens individuais em todo o país para turistas em seu solo a partir de 1º de abril. O objetivo: proteger a economia do país e a segurança dos viajantes.

Um ponto de viragem para o turismo local. O Nepal proibiu viagens individuais em todo o país a partir de 1º de abril. Esta forte decisão visa proteger a economia do país e a segurança dos viajantes. Como lembrete, o estado já proibiu a escalada solo do Monte Everest há cinco anos por motivos semelhantes.

“Quando você viaja sozinho, em uma emergência não há ninguém para ajudá-lo. É bom que eles viajem para as cidades, mas nas montanhas remotas a infra-estrutura não é adequada. Quando os turistas desaparecem ou são encontrados mortos, nem mesmo o governo pode rastreá-los porque eles viajaram por estradas remotas”, disse Mani R. Lamichhane, diretor do Conselho de Turismo do Nepal, à CNN.

O CUSTO DAS MISSÕES DE RESGATE EXPLODE NO NEPAL

Conhecido por suas paisagens sublimes e suas regiões propícias ao trekking, o Nepal tem apostado fortemente nesses dois aspectos para alimentar seu turismo. No entanto, as viagens individuais comumente feitas por turistas têm um forte impacto econômico no país. O custo das missões de busca e salvamento em relação aos viajantes solitários perdidos explodiu nos últimos anos no Nepal com a democratização dessa prática.

Mani R. Lamichhane mencionou outra preocupação financeira do governo nepalês. As empresas não aprovadas pelo Estado que oferecem esse tipo de viagem não pagam impostos e, portanto, privam indiretamente os nepaleses de empregos.

“A cada ano, dez a quinze Trekkings desaparecem, a maioria caminhantes independentes”, disse Nilhari Bastola, presidente da Associação de Agências de Trekking do Nepal, citado pelo jornal nepalês The Kathmandu Post. “A onipresença dos guias protegerá e informará todos os caminhantes sobre o mal da altitude e outros problemas como desastres naturais”, defende Nilhari Bastola. São assim as empresas de trekking que se responsabilizam pela segurança de todas as pessoas a quem prestam os seus serviços.

“Nas montanhas remotas, a infraestrutura não é adequada”, justifica também Mani R. Lamichhane, diretor do posto de turismo do Nepal, à mídia americana CNN, explicando que em caso de acidente, muitas vezes é difícil resgatar turistas que fazem “rotas remotas”.

Além disso, os caminhantes que vão por conta própria não são todos muito experientes. “Antes via-se apenas caminhantes e alpinistas experientes na zona, muitos viajavam sem guia e eram totalmente autossuficientes. Mas agora há muito mais pessoas viajando na área. Pessoas que não são necessariamente autônomas e que precisam da ajuda de guias experientes”, argumenta Ian Taylor, dono de uma empresa de guias que conhece o Nepal, à CNN.

Para fazer caminhadas no Nepal, você deve ter um cartão, pagando: o cartão TIMS. “Continuará a ser obrigatório, mas ao preço único de 2.000 rúpias nepalesas por pessoa”, ou cerca de 15€, especifica um artigo no site Trekmag.

No entanto, segundo Ian Taylor, o governo nepalês não tem capacidade para examinar as competências de cada requerente de visto separadamente, daí a decisão de adotar uma proibição geral, especifica a CNN.

Para as autoridades nepalesas, uma melhor fiscalização dos passeios e caminhadas significa também lutar contra as empresas “que não estão registadas no governo e não pagam impostos”, sublinha o diretor do posto de turismo do Nepal.

Gerar empregos

Esta medida também é econômica. “Cerca de 40.000 nepaleses encontrarão novos empregos se a regra for aplicada”, disse o presidente da Associação de Agências de Trekking do Nepal, citado pelo The Kathmandu Post.

O jornal afirma que milhares de jovens nepaleses deixam o país todos os anos para encontrar trabalho em outro lugar.

O salário médio de um nepalês é de cerca de € 80 por mês, e cerca de € 150 na capital Katmandu. Em um dia de caminhada, um guia pode ganhar em média entre € 25 e € 45, ou cerca de metade do seu salário mensal. As taxas são muito mais altas em rotas de trekking longas e difíceis e podem variar de € 100 a € 200 por dia.

O Nepal, cuja economia é amplamente baseada no turismo, ainda não recuperou sua atratividade pré-pandemia de Covid-19. Em 2019, um ano de referência para o setor do turismo, o país recebeu 1,19 milhões de visitantes estrangeiros. Destes, mais de 300.000 eram caminhantes e 46.000 caminhantes independentes. Mas agora menos “livres”, estes intrépidos caminhantes ainda se deixarão seduzir por um destino como o Nepal?